07
ago

Fachadas ventiladas: unindo design, funcionalidade e sustentabilidade

Estética + desempenho da funcionalidade + sustentabilidade: é a junção desses aspectos que faz das fachadas ventiladas uma inovação tão adorada na arquitetura.

A fachada ventilada surgiu a partir de estudos realizados em laboratórios europeus a fim de encontrar uma forma de se reduzir custos com energia para calefação e refrigeração, principalmente pelo frio com que o continente sofre.

O resultado surgido foi um sistema para revestir as faces de edifícios que deixa um espaço a ser ventilado entre o revestimento externo e o isolamento.

A solução não conta apenas com uma estrutura incrível, mas foi aprimorada para que surgissem diversas opções de materiais, cores, texturas e formatos.

Estruturação

As fachadas ventiladas são compostas por alguns elementos que se encontram em níveis, desde o mais próximo do ambiente interno do edifício até entrar em contato com o ambiente externo.

Veja um vídeo da ULMA, empresa italiana de fachadas ventiladas, sobre como é instalado o sistema.

Capa isolante: é constituída por materiais que garantem a estabilidade térmica do edifício.

Estrutura de fixação: onde o revestimento é aplicado a partir de materiais como madeira ou metal para trazer estabilidade ao sistema. Caso se utilize o metal, recomenda-se o uso de aço inoxidável ou alumínio, nunca o aço galvanizado por poder enferrujar e trazer risco à estrutura.

Câmara de ar: é o espaço que será ventilado e onde ocorre o efeito chaminé (continue lendo para entender). Deve possuir de 10 a 20 cm de largura a fim de permitir a ventilação natural da parede e ser fundamental para que o sistema da fachada funcione.

Revestimento exterior: de função estética e de proteção à câmara e à parede do edifício. Aqui fica a critério do design do projeto. Alguns materiais que podem ser utilizados são cerâmica extrudada, pedra, concreto polímetro, placa cimentícia, laminados, fenólicos, metálicos e porcelânicos. Para cada tipo de painel deve-se considerar as possíveis dilatações térmicas e movimentos dos componentes, fixando-os da forma mais adequada. A possibilidade de cores é inumerável.

Outras vantagens

A fachada ventilada ainda oferece mais vantagens. Uma delas é a proteção acústica aos ambientes interior ao edifício, já que as placas e a câmara de ar agem atenuando ruídos do exterior.

Outro ponto é a melhor capacidade de adaptação às variações de temperatura na estrutura do projeto. As placas de revestimento da estrutura de fixação são livres para dilatar de acordo com seu coeficiente por causa do grau de elasticidade da ancoragem. O revestimento, então, não sofre esforços adicionais que possam degradar a estrutura e a fachada em si, sem necessidade de manutenção – ao contrário do que ocorre com fachadas convencionais.

Aliás, a baixa necessidade de manutenção é uma outra vantagem. Se eventualmente uma placa estragar, a manutenção será simples: substituí-la individualmente.

Por isso, o sistema de fachada ventilada oferece uma simples e prática renovação pela fácil troca das placas que modificam todo o aspecto exterior.

Sustentabilidade

sistema de fachadas ventiladas é uma novidade sustentável por diversos aspectos já citados.

A redução de consumo de energia, a fácil manutenção, utilização de materiais recicláveis por serem práticos de desmontar e montar novamente, entre outros, constituem a sustentabilidade do sistema e podem facilitar a obtenção desta certificação aos projetos que o utilizam.

fonte: hometeka.com.br